sexta-feira, 17 de julho de 2009

Lugar varanda



rio das varandas

é
sou
e somos
história que se faz
a cidade já não imagina
é do alto que a vida escorre livre
das varandas de lembranças abertas
daquele fotógrafo atento que se ilumina
imaginando captar tantas dores no tempo
talvez conversar com tantos fantasmas
ou escutar os segredos campanários
dos sons da chuva nos telhados
mágoas dos casarios tortos
os sinais do manguezal
ferido de mistérios
relógio líquido
Sanhauá
ainda
rio
é

Sandoval Fagundes, João Pessoa - sexta-feira, 17 de julho de 2009
12:48

4 comentários:

Anônimo disse...

Adorei a poesia e as fotos.

Geessica_ disse...

adoreeei!

Serenade disse...

Sandoval,
Gostei de seu cantinho poético! lindo!!! Agradecida!!!
Beijares e abraçares

raquel disse...

salve a poesia!
adorei o blog meu amigo, em palavras e imagens.